A Organização Mundial de Empresas

ICC pede ação climática urgente

images/noticias/ICC_ACORDO_CLIMATICO.jpg

É este o momento de tomar medidas para fazer face às alterações climáticas.

As alterações climáticas são um dos principais desafios que influenciam a forma de fazer negócios, atualmente e nas décadas que se aproximam. Para aproveitar as oportunidades de crescimento e para reforçar o desenvolvimento e resiliência das empresas e das sociedades é fundamental que a comunidade empresarial de todos os países - e de todos os sectores - aborde este tema.

A Conferência das Alterações Climáticas das Nações Unidas pretende definir um acordo universal para as alterações climáticas que envolva todos os países em ações que realmente enfrentem as alterações climáticas e impulsionem a transição para economias e sociedades mais resilientes, com baixo consumo de carbono – mantendo o aumento da temperatura global inferior a 2 graus Celsius.

Hoje mais do que nunca uma economia de futuro resiliente e com baixos consumos de carbono depende das soluções, capacidades, contribuições e compromissos das empresas.

Muitas das mais de 6.5 milhões de empresas, câmaras de comércio e associações empresariais, de todas as dimensões, em mais de 130 países que fazem parte da rede global da ICC obedecem já à regulamentação dos seus governos, integram os mercados climáticos e prosseguem, de forma voluntária, ações climáticas. Baseado na sua longa tradição de cidadania corporativa e de autorregulação, a ICC pede aos seus membros que não só continuem com as ações climáticas, mas que as aumentem e comuniquem.

A ICC encoraja os seus membros e a comunidade empresarial a continuar a seguir o caminho delineado pelo ICC Business Charter for Sustainable Development (2015), incluindo:

  • Integrar nas estratégias empresariais, nos princípios de liderança, nas operações, atividades e investimentos os novos riscos climáticos e as novas oportunidades de mercado, de acordo com o contexto relevante de cada negócio.
  • Gerir os negócios com integridade e transparência, cumprir a legislação e regulamentação aplicável, desenvolver boas práticas e promover condutas éticas.
  • Construir a consciência e o entendimento necessários sobre os impactos e ações das alterações climáticas perante os colaboradores, acionista, consumidores e outros interessados.
  • Promover o desenvolvimento de competências e a formação contínua dos trabalhadores.
  • Desenvolver produtos ou serviços amigos do ambiente que acrescentem valor ao consumidor e minimizem os impactos ambientais e/ou sociais adversos.
  • Inovar com e através dos consumidores e dos fornecedores para identificar oportunidades de negócio – desde ações de investigação e desenvolvimento até produtos e serviços amigos do ambiente – incluindo mecanismos de financiamento e de investimento inovadores em projetos relacionados com o ambiente.
  • Colaborar com todos os intervenientes na cadeia de valor para garantir um comportamento responsável ao longo de todo o ciclo de vida do produto ou serviço.
  • Definir métricas e identificar o potencial de melhoria no impacto dos negócios através do recurso a princípios de avaliação do ciclo de vida (impactos diretos e indiretos), avaliar o impacto climático associado aos negócios e implementar sistemas de gestão eficazes com o objetivo de reduzir a pegada de carbono e criar resiliência.
  • Defender um acordo climático global incorporando elementos de mitigação, de adaptação, financeiros e de mercado, e.g. incentivos económicos e fixação de preços de carbono e um envolvimento das empresas em consulta e implementação para permitir a tomada de decisões de negócios e de investimentos com vista a tecnologias e soluções de baixo consumo de carbono.

A ICC vai continuar a promover diálogos e apoiar parcerias público-privadas mais fortes a nível internacional e nacional. A ICC também envolverá os seus membros de todas as suas áreas de trabalho, na cooperação com a comunidade internacional para aprofundar e disponibilizar os seus conhecimentos técnicos e orientações estratégicas à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (UNFCCC). Também procurará contribuir para a sensibilização da opinião pública, para a criação de soluções, regras e diretivas de natureza voluntária, continuando assim o seu papel como ponto central para as empresas na UNFCCC.

Instamos os governos a alcançarem um acordo climático global no COP21 que trabalhe com as empresas para acelerar a redução das emissões, proporcionar condições favoráveis ao investimento e à inovação, e para aumentar a resiliência climática de acordo com os Objetivos das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (SDG’s). Juntamente com um amplo conjunto de sinais políticos de todas as principais nações e no contexto do comércio e investimento aberto, permitirá às empresas e à sociedade evoluírem para uma economia de baixo consumo de carbono, mais resiliente e capaz de gerar crescimento, prosperidade e emprego para todos.

Resumindo, com políticas de apoio e estruturas de mercado adequadas as empresas podem ir mais longe e mais depressa.

A ICC, os seus membros e a sua rede global estão prontos para cooperar com os governos e com todos os intervenientes de forma a enfrentar com sucesso as alterações climáticas e a promover um crescimento sustentável e inclusivo.

O COP21 é uma oportunidade que não pode ser desperdiçada.

Saiba mais sobre a participação da ICC na Cimeira do Clima aqui.

Consulte o Press-Release.

Os nossos Membros