A Organização Mundial de Empresas

Pirataria Marítima e assaltos à mão armados alcança níveis mais baixos dos últimos 22 anos, diz o relatório IMB

images/noticias/icc-imb-piracy-report-light_400_170.jpg

 

Foram reportados ao International Maritime Bureau (IMB) da International Chamber of Commerce’s (ICC), em 2017, 180 incidentes de pirataria e assaltos armados contra navios, de acordo com o mais recente relatório daquele instituto. É o número anual de incidentes mais baixo desde 1995, em que foram reportados 188 casos. Em 2017, foram acostados 136 navios, tendo havido 22 tentativas de ataque, 16 barcos foram alvo de ataque com armas de fogo e 6 navios foram assaltados. Em 15 acidentes separadas, 91 membros de tripulações foram feitos reféns e 75 foram raptados dos seus navios em outros 13 incidentes. 3 tripulantes foram mortos e 6 foram feridos.


Em 2016, foram relatados 191 incidentes, com 150 navios atacados e 152 tripulantes feitos reféns. Para além destes números globais, o relatório realça diversos takeaways conclusões em relação aos números do ano anterior.

 

piracy2017 k

 

Perigo persistente no Golfo da Guiné


Em 2017, registaram-se 36 incidentes reportados com navios assaltados nesta área e 10 incidentes de rapto envolvendo 65 tripulantes próximo das águas Nigerianas. A nível global, 16 navios relataram terem sido alvo de ataques com armas de fogo— incluindo 7 no Golfo da Guiné.


“Apesar do número de ataques ser baixo este ano em comparação com o ano passado, o golfo da Guiné e as águas perto da Nigéria continuam a ser uma ameaça aos marinheiros. As autoridades a Nigerianas já intervieram numa série de incidentes de forma a evitar efeitos de escalada”, Afirmou Pottengal Mukundan, Director of IMB.

 piracy and armed robbery 2018

 

Condenação de piratas da Somália


Foram registados nove incidentes na costa da Somália em 2017, mais dois que em 2016. Em novembro,m um navio de contentores foi atacado por piratas armados a aproximadamente 280 milhas náuticas a este de Mogadishu. Os piratas não foram capazes de entrar a bordo do navio devido à manobra evasiva do navio dispararam dois foguetes RPG, os quais falharam o alvo, tendo-se retirado de seguida.


Seis piratas da Somália foram na sequência deste ataque detidos pela Força Naval da União Europeia, transferidos paras as Seychelles e confessaram ter “cometido atos de pirataria” sendo que poderão ter de cumprir até 30 anos de prisão caso venham a ser condenados. Este incidente dramático, a par de outros números de 2017, demonstram que os piratas da Somália ainda mantêm a capacidade e a intenção de lançar ataques contra navios mercantes a centenas de milhas das suas cotas”, confirma Mukundan.

Resultados mistos no Sudeste da Asia


A Indonésia registou 43 incidentes em 2017, descendo de 49 em 2016. O relatório do IMB nota que as patrulhas da Polícia Marítima da Indonésia continuam eficaz nos 10 ancoradouros seguros designados do país.


No entanto, nas Filipinas, o número de incidentes reportados aumentou mais do que o dobro, de 10 em 2016 para 22 em 2017. Segundo o relatório, a maioria desses incidentes eram ataques de baixo nível em navios ancorados, principalmente nos portos de Manila e Batangas. Os navios em curso no sul das Filipinas acostaram e a tripulação raptada no primeiro trimestre de 2017. No entanto, os alertas transmitidos pelo Centro de Relatórios de Pirataria (PRC) da IMB, em nome das autoridades filipinas, desde então ajudaram a evitar novos ataques


Lançado em 1991, o IMB PRC é um centro aberto 24 horas que fornece ao setor marítimo, governos e outros organismos, informação atualizada e oportuna sobre incidentes de assalto à mão armada recebidos diretamente do mestre ou proprietário de navios. Todos os ataques relatados no ano passado podem ser vistos no Mapa de Pirataria em direto do IMB 2017.

Os nossos Membros