A Organização Mundial de Empresas

A ICC apoia apelo da ONU para incluir pessoas deslocadas na resposta ao COVID-19

images/icc-unhcr-geneva-covid19.png

A ICC apoia o pedido do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) para impedir a disseminação do COVID-19 nas comunidades mais vulneráveis do mundo e para defender a inclusão dos refugiados e pessoas deslocadas nos planos de resposta nacionais.

O COVID-19 não discrimina o risco elevado das comunidades mais frágeis, incluindo refugiados, pessoas deslocadas internamente e migrantes. Muitas das mais de 70 milhões de mulheres, homens e crianças que são deslocados à força em todo o mundo encontram-se em locais onde os serviços de saúde estão sobrecarregados ou inacessíveis. Estas pessoas podem estar confinadas a acampamentos ou viver em áreas urbanas onde a superlotação e o saneamento com poucos recursos aumentam o risco de exposição.

Embora o número de casos relatados e confirmados de infeção por COVID-19 entre os refugiados permaneça baixo, é necessário apoio urgente para proteger e ajudar estas pessoas e as suas comunidades anfitriãs. Como parte da parceria com a Agência das Nações Unidas para os Refugiados, a ICC apoia o apelo do ACNUR para que o setor privado advogue o acesso contínuo à proteção e assistência aos refugiados e pessoas deslocadas internamente nestes tempos incertos. Somente se unirmos forças, essa crise poderá ser superada.

Filippo Grandi, Alto Comissariado da ONU para Refugiados, referiu: “O COVID-19 é um teste não apenas aos nossos sistemas e mecanismos de assistência médica para responder a doenças infeciosas, mas também da nossa capacidade de trabalhar juntos como uma comunidade de nações face a um desafio comum. Os refugiados e as pessoas deslocadas internamente devem ser parte integrante dos sistemas e planos nacionais para combater o vírus. O setor privado pode desempenhar um papel importante no apoio a esse esforço.”

O ACNUR visa garantir que os refugiados e as comunidades deslocadas sejam adequadamente informados dos riscos para a saúde, sejam assistidos e tenham apoio médico e higiénico, abrigo, itens essenciais de assistência, oportunidades de aprendizagem e assistência financeira para ajudar a mitigar o impacto socioeconómico negativo do surto. Também é crucial garantir que os seus direitos sejam respeitados nestas circunstâncias desafiadoras. A ICC apela à sua rede global de empresas para apoiar essa resposta.

O Secretário-geral da ICC, John WH Denton AO, referiu: “As medidas para combater a pandemia global do COVID-19 devem abordar toda a sociedade, incluindo as partes mais frágeis da população, para que sejam eficazes. O setor privado já demonstrou incrível generosidade e solidariedade ao ajudar a mitigar os efeitos da pandemia do COVID-19 em muitas áreas. Ajudar os refugiados e os deslocados é outra área na qual podemos ajudar a fazer as empresas funcionarem para todos, em todos os lugares.”

O ACNUR precisa, em particular, de apoio financeiro urgente para financiar as medidas multissetoriais de prevenção descritas no seu apelo de US $ 255 milhões.

A agência tem trabalhado para apoiar os governos na sua resposta e visa fornecer intervenções que salvam vidas em vários setores, incluindo: aquisição de itens de higiene, suprimentos médicos e equipamentos de proteção individual; estabelecer abrigos de emergência; melhorias nos serviços de saúde; formação de profissionais de saúde; informar e envolver as comunidades sobre os riscos e prevenção em vários idiomas e através de múltiplos canais; aumentar a assistência financeira e garantir a continuidade da educação para os mais carenciados.

Mais detalhes poderão ser encontrados na página de emergência do Coronavirus Outbreak do ACNUR

Um conjunto de orientações detalhadas sobre como os membros da ICC podem apoiar o ACNUR através de advocacy, participação de colaboradores, doações em espécie e financeiras será brevemente lançado.

Para apoiar diretamente, visite a página de doações do ACNUR.

Veja a notícia completa aqui

Os nossos Membros