A Organização Mundial de Empresas

Coluna do convidado: Porque atualmente a mediação é mais necessária do que nunca?

images/Sem_Título.png

Enquanto estudantes e profissionais de todo o mundo reunirem-se em Paris para a 15ª Competição Internacional de Mediação Comercial da ICC, Oliver Carroll e Jemima Roe, da Clifford Chance, explicam as razões pelas quais a mediação é atualmente mais necessária do que nunca.

O mundo entrou numa nova década. Se 2019 foi uma amostra do que está por vir, a década de 2020 provavelmente verá turbulências significativas dentro e entre estados e blocos comerciais, bem como uma agitação nas normas internacionais anteriormente assumidas. À medida em que essas normas são corroídas e a ordem internacional, baseada em regras, torna-se vulnerável a mais incertezas, o perfil de risco de disputas internacionais "convencionais" não pode ser tomado como garantido. Desde as negociações comerciais entre o Reino Unido-União Europeia (UE) e os Estados Unidos (EUA)-China até ao recente desaparecimento prematuro do órgão de resolução de litígios da Organização Mundial do Comércio, perguntas sobre como, onde e sob quais as regras para a resolução de litígios internacionais estão agora em causa.

Onde reina a incerteza, as partes precisam de um meio colaborativo, eficiente e eficaz de fornecer soluções para as suas discórdias. Nesse contexto, o argumento pragmático de recorrer à mediação em disputas comerciais internacionais é claro e agora bem estabelecido. Como uma ferramenta comercial para uma rápida e abrangente conclusão de disputas, pode haver pouco debate sobre o status agora consolidado da mediação na caixa de ferramentas dos profissionais de litígios internacionais. O fato de a confidencialidade e a abertura serem pedras angulares da mediação fornece às partes o conforto necessário para o investimento pessoal e económico necessário num processo em que, quando tudo é dito e feito, é a base para a estabilidade e a confiabilidade na resolução de litígios. O nível de segurança resultante de uma mediação geralmente é incomparável, mesmo pelas habilidades dos mecanismos tradicionais de resolução de litígios institucionais ou domésticas.

Mas, além da utilidade comercial da mediação, é o núcleo de habilidades da disciplina de mediação que talvez seja de maior relevância neste mundo incerto. Desde desafios exigentes nas relações industriais até as disputas comerciais internacionais mais contenciosas, a mediação oferece um fórum único para a compreensão, adaptação e, finalmente, a satisfação dos interesses de todas as partes, para além de evitar o custo económico, social e político de uma disputa pública e prolongada. O processo de mediação, quando conduzido pelas partes e facilitado por um mediador imparcial, pode, na melhor das hipóteses, fornecer um foco sem paralelo no que motiva o próprio comportamento contra o qual as partes são prejudicadas e fornece espaço para os fundamentos de um relacionamento futuro mais construtivo. A disciplina de estar ativamente envolvido com as demandas da sua oposição, de desmontar e remodelar uma estratégia para adaptar-se aos contornos frequentemente dinâmicos de uma disputa, é uma competência inestimável tanto dentro quanto fora da mesa de mediação.

Com muita frequência, o que subjaz às disputas internacionais mais contenciosas - sejam entre partidos privados ou entre estados - é um fracasso contínuo em promover perspetivas compartilhadas, com os adversários negociando a partir de pontos de partida diametralmente opostos e discutindo o passado, e não um com o outro. O resultado geralmente é um compromisso inconveniente, no qual ninguém é vencedor e uma série de partes interessadas infelizes perguntam-se o que deu errado.

No entanto, ao examinarmos o cenário das disputas internacionais entre a agitação política e a turbulência diplomática que agora ocupa tantas instituições internacionais anteriormente estimadas, devemos estar cientes de que as notícias não são apenas desoladoras e sombrias. O recente aparecimento da Convenção das Nações Unidas sobre International Settlement Agreements Resulting from Mediation, na verdade não está adormecido no campo da cooperação internacional multilateral. A Convenção estabelece uma estrutura legal harmonizada para o direito de invocar acordos em tribunais nacionais, bem como para a sua aplicação. No momento da redação deste artigo, cinquenta e um estados haviam assinado a Convenção, incluindo os EUA e a China. Os estados membros da UE sinalizaram a sua intenção de aderir, em bloco ou individualmente.

Só podemos esperar que, à medida em que a Convenção e a sua legislação de implementação disseminem-se pelo mundo, as partes que de outra forma estejam envolvidas em disputas possam tirar proveito de um processo que se confirmou repetidas vezes - e que agora pode legitimamente reivindicar a sua participação. A rota preferida para superar o aparentemente intransponível. Talvez esta nova década veja a mediação como a verdadeira arte de um acordo.

Clifford Chance é o principal patrocinador do 15º Concurso Internacional de Mediação Comercial da ICC, que acontece de 6 a 12 de fevereiro de 2020 em Paris, França.


*Isenção de responsabilidades: O conteúdo desta entrevista não reflete as opiniões oficiais da Câmara de Comércio Internacional. As opiniões expressas são exclusivamente dos autores e de outros colaboradores.

Consulte a notícia completa aqui

Os nossos Membros