A Organização Mundial de Empresas

ICC e OIM lançam orientação COVID-19 para a proteção de migrantes

images/ICC_OIM.jpg

A Câmara de Comércio Internacional (ICC) e a Organização Internacional para Migração (OIM) divulgam orientações do empregador para as medidas de proteção aos migrantes durante a pandemia de COVID-19.

Os trabalhadores migrantes são uma parte crucial da força de trabalho global, representando 3,5% da população mundial, de acordo com a OIM. Em todo o mundo, micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), dependem de trabalhadores migrantes, incluindo setores que fornecem bens e serviços essenciais - indústrias fortemente atingidas pela COVID-19.

Como as consequências económicas e humanas da COVID-19 continuam a moldar as comunidades locais, as empresas podem desempenhar um papel decisivo na abordagem dos desafios únicos enfrentados pelos trabalhadores migrantes.

Os trabalhadores migrantes estão mais suscetíveis a perda de emprego, cortes de salários e vários problemas de saúde e segurança. Ao contrário das populações locais, os trabalhadores migrantes muitas vezes estão longe das redes de apoio familiar. Eles enfrentam barreiras linguísticas e/ou culturais e muitas vezes carecem de proteção social. Muitos sofrem discriminação. Enquanto isso, as economias estrangeiras, que dependem de contribuições financeiras de trabalhadores migrantes - especialmente países de baixa e média renda - enfrentam um declínio acentuado nas remessas internacionais.

Em resposta, a ICC e a OIM publicaram um conjunto de diretrizes para os empregadores destacando o papel do setor privado na abordagem dos desafios específicos dos trabalhadores migrantes durante a pandemia de COVID-19. A orientação inclui um conjunto de princípios gerais para empregadores - como tratar todos os trabalhadores com “igualdade, dignidade e respeito” - independentemente de seu género ou status migratório. Essas orientações são apresentadas em cinco categorias: saúde física e mental, condições de vida e de trabalho, apoio económico, recrutamento ético e compromissos de transparência nas cadeias de suprimentos.

“A COVID-19 expôs e intensificou as desigualdades existentes no nosso sistema económico global, incluindo os desafios diários enfrentados pelos trabalhadores migrantes em todo o mundo”, referiu o Secretário-Geral do ICC, John WH Denton.

“Ao estabelecer respostas políticas inclusivas, as empresas podem garantir a saúde, o bem-estar e a segurança de todos os funcionários e, ao mesmo tempo, lançar as bases para uma recuperação económica mais resiliente”, acrescentou.

O documento de orientação da ICC- OIM foi uma adaptação da orientação COVID-19 da OIM para melhorar a proteção dos trabalhadores migrantes durante a atual crise de saúde e complementa outras recomendações da ICC sobre medidas de saúde e segurança para os funcionários.

“Os trabalhadores migrantes continuam na linha de frente da nossa resposta coletiva à pandemia COVID-19: não apenas como médicos, enfermeiras e outros profissionais de saúde, mas como trabalhadores agrícolas, de transporte e prestadores de serviços que mantém as nossas cidades em funcionamento” referiu Marina Manke, Chefe de Divisão de Mobilidade Laboral e Desenvolvimento Humano da OIM.

“Os empregadores estão numa posição única para garantir a proteção total desses trabalhadores no local de trabalho e nas suas comunidades. Esperamos que este guia os sirva bem”, acrescentou.

A ICC e a sua rede de Comités Nacionais estão a trabalhar com a OIM para aumentar a conscientização sobre as necessidades específicas e medidas de apoio para trabalhadores migrantes durante a COVID19 entre empresas em diferentes regiões. Mais recentemente, a OIM e a ICC – em parcerias com os seus escritórios regionais na Argentina, Colômbia, Guatemala e México – realizaram um webinar dirigido aos empregadores da América Latina.

Faça o download da Orientação ICC-IOM sobre Proteção para Trabalhadores Migrantes durante a Pandemia de COVID-19.

Os nossos Membros