A Organização Mundial de Empresas

Pirataria e assalto à mão armada ameaçam tripulações de navios, alerta IMB

images/gettyimages-1144933955-1.jpg

Os marítimos enfrentam ameaças contínuas de piratas e assaltantes armados nos mares do mundo, refere o International Maritime Bureau (IMB) da Câmara de Comércio Internacional (ICC), relatando 46 ataques nos primeiros três meses de 2020, contra 38 no mesmo período do ano passado. Os piratas invadiram 37 navios no primeiro trimestre de 2020.

O Golfo da Guiné continua a ser o ponto principal de pirataria no mundo. Dezassete tripulantes foram sequestrados em três incidentes nessas águas, em distâncias entre 45 e 75 milhas náuticas da costa.

O último relatório global de pirataria do IMB mostra que não existiu qualquer sequestro nos últimos dois trimestres e nenhum incidente na Somália. Contudo, não há sinal de redução nos ataques em todo o mundo, pelo que o IMB incentiva os armadores a permanecerem vigilantes, pedindo a cooperação internacional contínua.

"Patrulhas da Marinha, medidas de segurança a bordo, cooperação e troca transparente de informações entre autoridades são fatores que ajudam a combater os crimes de pirataria e assalto à mão armada", referiu o diretor do IMB, Michael Howlett.

“A ameaça à tripulação, no entanto, ainda é real - seja de gangues violentas ou de assaltantes armados oportunistas que, inadvertidamente, ficam cara a cara com a tripulação. Os comandantes dos navios devem continuar a seguir as melhores práticas da indústria com diligência. A deteção precoce de que um esquife de piratas se aproxima é frequentemente a chave para evitar um ataque”, acrescentou.

Sequestros no Golfo da Guiné persistem

O 24-hour Piracy Reporting Centre (RPC) do IMB registou 21 ataques no Golfo da Guiné no primeiro trimestre de 2020. Desses, 12 foram em embarcações em andamento a uma média de 70 milhas náuticas ao largo da costa. Todos os tipos de embarcações estão em risco. Os autores dos ataques geralmente estão armados. Eles aproximam-se em lanchas e embarcam nos navios para roubar lojas ou cargas e sequestrar tripulantes, exigindo um resgate.

Enquanto 10 navios foram atacados em todo o mundo durante todo o ano de 2019, quatro já relataram ter sido atacados na Zona Económica Exclusiva da Nigéria (ZEE) durante o primeiro trimestre de 2020. Isso inclui um navio porta-contentores a cerca de 130 nm a sudoeste de Brass. Noutro incidente, a cerca de 102 nm a noroeste da ilha de São Tomé, um navio porta-contentores foi abordado por piratas. A tripulação recuou para a cidadela e acionou o alarme. Ao receber o alerta, o IMB PRC entrou em contato com as autoridades regionais e o operador da embarcação, até que a embarcação e a tripulação estivessem em segurança.

“O IMB PRC elogia as agências regionais de resposta do estado costeiro e as marinhas internacionais na região do Golfo da Guiné por responderem ativamente aos incidentes relatados”, mencionou Howlett.

Como muitos ataques não são relatados, o IMB aconselha os marítimos da região a seguirem as Boas Práticas de Gestão da África Ocidental recentemente publicadas - BMP WA.

Indonésia: diálogo paga dividendos

A implementação estratégica de navios-patrulha da Polícia Marítima resultou num declínio contínuo dos ataques a navios na maioria dos ancoradouros e vias navegáveis da Indonésia - graças à cooperação positiva entre a IMB PRC e a Polícia Marítima da Indonésia (IMP). No primeiro trimestre de 2020, apenas cinco navios ancorados foram embarcados. Esses geralmente são ataques de assalto à mão armada de baixo nível. O IMB PRC está a monitorizar a situação e continua a fazer ligação com o IMP e com outras autoridades locais e regionais.

Estreito de Singapura

Cinco navios foram embarcados no Estreito de Singapura - onde nenhum ataque foi relatado no primeiro trimestre de 2019. Esses ataques de assalto a mão armada de baixo nível são uma distração para as tripulações que navegam em águas congestionadas. Em um incidente, a tripulação conseguiu trancar os agressores na despensa, o que permitiu posteriormente a prisão dos mesmos.

Em outros lugares

Outra violência contra os marítimos incluiu o sequestro de cinco tripulantes por resgate em ataque a um navio de pesca perto de Sabah, na Malásia, em janeiro de 2020. Em março, em Macapá no Brasil, um vigia foi confrontado em serviço e mantido temporariamente como refém por um grupo de assaltantes. Enquanto isso, na ancoragem de Callao, no Peru, três tripulantes foram presos por nove assaltantes que embarcaram para roubar os depósitos do navio. Duas tripulações ficaram feridas durante o incidente. Callao registou cinco incidentes no último trimestre de 2019 e três neste trimestre.

IMB Piracy Reporting Centre

Fundado em 1991, o 24-hour manned Piracy Reporting Centre (RPC) do IMB permanece como o único ponto de contato para denunciar os crimes de pirataria e assalto à mão armada. O Centro não apenas ajudou os navios em tempo útil, mas também fornece à indústria marítima, às agências de resposta e aos governos dados transparentes - recebidos diretamente do Comandante do navio sob ataque - ou dos seus proprietários.

O envio imediato de relatórios pelo IMB PRC e o contato com as agências de resposta, através das suas transmissões para via GMDSS Safety Net Services e alertas via e-mail para os Oficiais de Segurança da Empresa (OSE), fornecidos gratuitamente, ajudaram na resposta contra a pirataria e assalto à mão armada e a segurança dos marítimos, globalmente.

Veja aqui a notícia completa. 

Os nossos Membros